Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado II - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 29 de março de 2014

Shoah, a experiência cinematográfica subvertida para retratar o horror do nazismo



IHU (27/03/2014): Shoah, a experiência cinematográfica subvertida para retratar o horror do nazismo: Para o cinema, o ano de 1985 já era marcante simplesmente pelo fato de se celebrar o centenário da chamada sétima arte. E é neste limiar que Claude Lanzmann lança sua primorosa obra intitulada Shoah (Documentário/Testemunhos, França, 1985, parte 1, 147 min), que subverte os cânones cinematográficos, exibe um filme de nove horas e inventa uma nova linguagem para tratar de um tema que foi capaz de quebrar paradigmas da filosofia, da psicologia e do próprio cinema: o holocausto. "Esse documentário é fundamental, tanto na história do cinema quanto do conhecimento, pois rompe com a forma usual do que era fazer cinema convencional e mesmo o documentário. É um filme que não tem trilha sonora - a única música é a cantada pelos próprios sobreviventes -, e o cinema, mesmo o mudo, sempre foi sonorizado por músicas, ao menos. Nesse filme, não; o que se ouve é o barulho dos equipamentos, das pessoas, etc.", explica Robson de Freitas Pereira, psicanalista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre – APPOA e conferencista do evento A proposta estético-política de Claude Lanzmann no Documentário Shoah. >>> Leia mais, clique aqui.

Como estrangeiros: os judeus sob Hitler


IHU (28/03/2014): Como estrangeiros: os judeus sob Hitler: Um teólogo e exegeta protestante, conhecido professor de Novo Testamento, idealizador e curador de um importante dicionário (o Theologisches Wörterbuch zum Neuen Testament, que, na edição alemã, chegou a 10 volumes). E um pensador judeu de origem vienense, orgulhoso da sua identidade, talvez o mais famoso depois da morte de Hermann Cohen, também graças às suas obras sobre o hassidismo. Trata-se de Gerhard Kittel e Martin Buber. A reportagem é de Marco Roncalli, publicada no jornal Avvenire, 25-03-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto. >>> Leia mais, clique aqui.

domingo, 26 de janeiro de 2014

2014: Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro)



Veja mais:

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Rabino Skorka e os arquivos de Pio XII

IHU (22/01/2014): Rabino Skorka e os arquivos de Pio XII. O tema da abertura aos estudiosos do arquivo vaticano que contém o enorme acervo de documentos relacionados ao pontificado de Pio XII continua sendo, há décadas, fonte de polêmicas. Voltou a falar sobre a questão, em uma entrevista ao jornal “Sunday Times”, o rabino argentino Abraham Skorka, reitor do Seminário rabínico de Buenos Aires e amigo do papa Francisco, com quem conversou amplamente sobre muitos temas da atualidade. Skorkadeclarou: “Acredito que abrirá os arquivos. A questão é muito delicada e devemos continuar analisando-a”. Segundo o que afirmou o rabino, Francisco teria a intenção de proceder com a abertura, antes de continuar com o processo de canonização de Pio XII. URL: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/527487-rabino-skorka-e-os-arquivos-de-pio-xii

Veja mais:

    domingo, 19 de janeiro de 2014

    Inquisição tropical: estudo derruba ideia de que perseguição foi pequena no Brasil



    Imagem: O Globo. História. Data: 18/01/2014, p.36.
    Matéria: Inquisição Tropical (edição impressa).

    Matéria: Inquisição tropical: estudo derruba ideia de que perseguição foi pequena no Brasil (edição on-line): (...) Em sua premiada tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP), intitulada “Poder eclesiástico e Inquisição no século XVIII luso-brasileiro: agentes, carreiras e mecanismos de promoção social”, Rodrigues revela um lado menos conhecido da Inquisição: o dos brasileiros que queriam trabalhar para o Santo Ofício. E mostra que, diferentemente do que muitos livros didáticos ensinam, a Inquisição esteve, sim, muito presente no Brasil. >>> Leia mais, clique aqui.